segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Tá virando moda sequestrar...

Oi pessoal! Olha eu mais uma vez por aqui.
Bem, o texto já é um pouco grande e por isso não irei me alongar
Desejo uma excelente semana a todos e um bom dia.
Abraços.

Seqüestrar e/ou matar namoradas esta virando moda

Por Mário Pires.

“Beijo na boca é coisa do passado, a moda agora é...” seqüestrar e/ou matar namoradas. Inacreditável mas me parece uma verdade. Todo dia agora é uma notícia assim. Já não basta a Eloá?? Pois bem!

Minha gente o “negócio tá pegando”, como diz a gíria. Impressionante como as coisas mudam de uma hora pra outra. Ou não sou eu que estou enxergando direito? Só pode. Por que agora baixou o “espírito” Lindemberg num monte de gente.

Talvez você não tenha observado como eu observei, mas, do caso Eloá pra cá, já existiram vários crimes passionais. Esses que os namorados seqüestrando e/ou matam as namoradas. Uns com finais “felizes” – felizes entre aspas não é? Por que a pessoa deve sair com um trauma cruel dessa situação. E nem quero me colocar no lugar da família, que com toda certeza fica desestruturada e amedrontada por um tempo depois de situações assim. Mas o feliz que me referi, é claro que você entendeu, é que o crime não terminou em morte.

Bem. Só pra você ter uma idéia, no último dia 25/10, em Salvador, um jovem de vinte anos, seqüestrou e manteve a namorada/esposa por doze horas, detalhe: ela tem dezoito anos de idade e está grávida de oito meses, ameaçando-a de morte. Que negócio é esse?!?! Graças a Deus, as negociações na capital baiana foram bem melhores do que as do caso Eloá. Algumas pessoas aprendem com os erros dos outros. Mas vamos lá...

Meu Deus onde nós estamos? Me explica daí vai!! Pra onde esse “buzú” via planeta terra/Brasil está indo que eu quero saltar noutro ponto. Aff!

Só relembrando, se você não acompanhou. No sábado que Eloá tomou um tiro, no domingo outra jovem em São Paulo foi brutalmente assassinada pelo ex-namorado por que ela não quis mais manter o relacionamento com o rapaz. Devia ser um cara babaca pra ela e a garota resolveu dar um “pé na bunda” dele. Até aí tudo bem se o babaca não fosse pegar uma arma e acabar com a vida da menina de apenas vinte anos de idade.

Espantos a parte, na moral: o que é que esse povo tem na cabeça? Ou melhor, o que falta na cabeça desses ciumentos passionais e doentios? Cadê Freud pra explicar?
O pior de tudo é que a maioria das vítimas envolvidas são meninas com idade média de quinze a vinte anos, com uma vida inteira pela frente, mas que um assassino desvairado acaba destruindo com a história dessas meninas. Quem inventou aquela frase “se não é minha não vai ser de ninguém”? Ah se eu descubro! Ah Lampião vivo!

Minha gente o que é isso? Estou repleto de perguntas hoje, não é? Mas é que está virando moda mesmo esse negócio de seqüestrar e matar. Fico preocupado com os inúmeros pais e mães que estão passando por essa situação ou que podem passar por isso um dia. Tirem meu nome da lista, por favor.

Mas falando sério (não me lembro de ter brincado). Vou jogar um pouquinho da culpa na família. É isso mesmo! Família é base de tudo. Educa e torna os filhos amigos dos pais e vice-versa. Os pais precisam tomar as “rédias” dos filhos. (Que eu nunca perca as rédias das minhas filhas).
Independente disso é preciso que os pais conversem sempre com os seus, a fim de evitar esses probleminhas. E que probleminha não é?

Gente! É com você mesmo que estou falando. Você pai e mãe de família que deixa sua filha novinha, vestir shortinhos, colocar aquele piercezinho no umbigo, usando a blusinha pra mostrar o lindo piercing, ir para as festonas que vai está todo mundo da cidade, encher a cara de bebida “free” e fazem amizades que você nem sabe por onde a filha esta indo, muito cuidado. Os tarados, seqüestradores, matadores e lobos maus – comedores de criancinhas estão aí. Depois, depois! Hum!

Pra finalizar, vou relatar um fato real. Dia desses estava indo ao banco com meu amigo Éden José (que também tem duas filhas), e lá tinha uma garotinha no banco que não devia ter quinze anos, mas já com um corpo bem formado, trajando shortinho curtinho (era minúsculo mesmo), blusinha mostrando barriguinha, de bonezinho de lado, rosto maquiado, acompanhada (provavelmente da mãe)... enfim, realmente era muito bonita a menina (e não tinha jeitinho de pobre não – o povo tem mania de colocar a culpa nos pobres), e chamava a atenção de todos. Olhamos para os lados e comentamos um com o outro: - Rapaz como é que pode a mãe deixar a filha vestir uma roupa dessas? No banco, tirando nós dois que ficamos preocupados com a vestimenta da garotinha (sério mesmo), o resto que fosse homem dentro do banco, estavam “comendo” a menina com os olhos. Imaginem os pensamentos bondosos (pra não dizer o contrário) que eles estavam fazendo. Mas a mãe devia está achando liiiiindo – era só sorrisos.
Minha gente: Roupa não cria e nem muda a personalidade de ninguém. Mas atrai. Entendeu?? Ou quer que faça um desenho?

Enfim. Cuidem de seus filhos para que eles não virem seqüestradores. E cuidem de suas filhas para que não se tornem vítimas do passional. Depois não diga que eu não avisei. Bom costume e família ainda pode mudar alguma coisa.

Tomem as rédias e lembrem-se: o lobo mal está à solta e mais equipado. Além dos dentes afiados, usa facas, três oitões e pistolas pra pegar as criancinhas. Ou seja, filhas e filhos de nossos.

* * *
Até a próxima.

5 comentários:

Adalberto Cadidé Mariano disse...

Olá meu amigo.
Belo texto.
Vc retrata uma realidade cada vez mais rotineira. Os lobos maus estão cada vez mais bem armados e praticam crimes de toda ordem. Que Deus se apiede dessas almas condenadas. Um grande abraço.

Adalberto Cadidé Mariano disse...

Olá meu amigo. Belo texto. Quero dizer que concordo com voce. Os lobos maus estão cada vez mais bem armados e praticando crimes de toda ordem. Que Deus se apiede dessas almas condenadas. Um grande abraço.

carlene disse...

Com certeza existem pessoas capazes de verdadeiras maldades,mas acredito muito na força das palavras, precisamos mais conversar com nossos filhos.

Joice disse...

Colega;
Não me leve a mal mas não gostei do seu texto. Acho que essa história de menina usar roupa curta e atrair homens é muito machista e não condiz com o trabalho ao qual realizamos na Pastoral. É a mesma coisa de dizer que mulher é estuprada porque quer por usar roupa provocante. Acho que o problema é bem maior e realmente cabe à familia brasileira estar mais presente na vida de seus filhos. Os fatos citados comprovam a desestrutura social ao qual vivemos e curtir festas sempre fez parte da cultura juvenil (até quendo tinhamos esta idade). O que falta é que nossos pais eram mais presentes, nos contavam mais histórias, perguntavam como foi a escola e não se preocupavam tanto com o extra que tem que ganhar para um novo celular ou um carro do ano. Vejo que no caso de Eloá o proprio Lindemberg é uma vitima da falta de atenção e acompanhamento familiar como também de uma sociedade que torce para que a policia mate ele. O que podemos esperar??? E a mãe dele foi lembrada pela imprensa??
Abraços
Joice

Ruth disse...

REALMENTE É DE ASSUSTAR QUALQUER "PESSOA" CADA DIA QUE PASSA CONVIVEMOS COM ESSA VIOLÊNCIA TERRÍVEL,AS VEZES ME PEGO PENSANDO,COMO ESTÁ COMPLICADO CRIAR NOSSOS FILHOS NUM MEIO TÃO CRUEL QUE VIROU NOSSA SOCIEDADE.SÓ RESTA PEDIR A MISSERICORDIA DE DEUS SOBRE NOS E NOSSOS FILHOS MEU CARO AMIGO É TER FÉ MESMO E MUITA