quarta-feira, 26 de março de 2008

O marketing que virou Dengue

Artigo publicado no Diário da Região, edição de qarta-feira, 26 de março/2008.




Imagem Ilustrativa

O marketing que virou Dengue

Por Mário Pires (*)

Pois bem. Há algum tempo venho cogitando a intenção de participar, com certa assiduidade, enviando artigos ou textos a serem publicados aqui no Diário da Região. Ainda ontem comentava com a jornalista responsável pelo conteúdo desta página que enviaria um material sobre marketing. Ainda não havia definido de que tipo de marketing poderia escrever. Gosto de escrever quando chega a vontade, quando de uma hora pra outra vem a inspiração; então pesquiso, leio, releio, dou aquele trato e finalizo.


Contudo, o assunto que tem sido bastante comentado nas últimas vinte e quatro horas é a epidemia de dengue no Rio de Janeiro, e eu acabei mudando, fugindo do marketing e entrando na “ferruada” da dengue.

Pra qualquer meio de comunicação que você acaba tendo acesso esta se falando de dengue. Não tem como não deixar de falar não é? O avanço da doença foi grande, alastrando-se por demais, perdendo de certa forma o controle na capital carioca. É claro que esta havendo uma campanha direta, incluindo até a possibilidade do apoio das forças armadas e a contratação de mais profissionais, dentre médicos e auxiliares.

Ta, mas peraê! Só se fala no Rio de Janeiro. Qual a preocupação de isso se alastrar pelos demais Estados e municípios?

É obvio que com tanta notícia pelas ruas sobre a dengue não é possível que a população não vá se conscientizar em manter esse cuidado com o “mosquito matador”. Afinal, o número de casos de morte aumentou. Será que o Aedes “tomou bomba?” Brincadeiras à parte, o caso é sério. A dengue tornou-se cinco vezes maior que os casos anteriores, ou seja, que a ultima epidemia ocorrida, também no Rio de Janeiro, em 2002.

Bom, sem perder o fio da meada. Apesar de ter sido noticiado, na edição de ontem aqui no Diário da Região, que em Juazeiro a dengue esta sendo controlada, com 304 casos notificados e apenas 109 confirmados, não devemos esquecer que a situação pode mudar. Atenção: não é nenhum alarde, muito menos um drama. É só uma preocupação. Pelo simples fato: estamos num período de chuvas e a atenção deve ser redobrada. Não é novidade de que eles (os mosquitos) gostam daqueles melhores lugarzinhos tranqüilos, sombra e aguinha fresca (além de parada é claro). Opa!! Será que a dengue é baiana? Ai ai ai... já somos rotulados de preguiçosos e não sei por que. Mas realmente me deu uma preguiça em continuar esse texto... acho que vou parar um pouquinho de depois retorno... (rsrsrs). Brincadeira heim gente. Só um pouco de humor pra um assunto tão sério.

Então, voltando à seriedade, se faz necessário o acompanhamento direto. Não se pode “vacilar” com o Aedes. Toda essa região, Vale do São Francisco, está ocorrendo chuvas e a conseqüência delas são águas acumuladas. E mesmo que a Defesa Civil, do Rio, considere que 70% da culpa seja da população, vale salientar que quem detém o poder e verbas para verificar e controlar essas situações de risco é a própria Defesa Civil ou os órgão públicos, seja municipal, estadual ou federal.

Pagamos para que eles tenham esse cuidado conosco. Pior de tudo é que são nessas situações que percebemos o “verdadeiro cuidado” que tais administradores do nosso dinheiro, depositados em impostos, estão tomando. A situação no Rio de Janeiro é pior por que falta atendimento para tanta gente infectada. Pra piorar a situação, médicos estão confundido viroses com dengues, e dengues com viroses. Ontem cedo, vi no noticiário, que um médico foi agredido (teve o nariz quebrado e o braço deslocado) por usuários de um hospital. Olha como a situação já muda! Olha como o problema social, além da dengue, já esta refletindo nas pessoas que querem, precisam e têm direito ao atendimento público de qualidade. Mas isso é um problema nacional e assunto pra outra oportunidade.

Bom, pra finalizar, estou percebendo que este ano, pelo visto, vai ser o ano da febre: febre amarela em Goiás, febre da dengue no Rio, febre das viroses no Brasil. E quando vai acabar essas febres? Só Deus sabe!

Eita! Eita! Eita! Paaaaaa! Ah, Desculpa. Mosquitinho aqui. Só espero que não seja da Dengue. Até outra hora.

(*) Profissional de marketing e design, baiano, soteropolitano

7 comentários:

NÚBIA ANUNCIAÇÃO disse...

É isso aí Mário, devemos tomar consciência de que este assunto é sério mesmo!! Não podemos resolver o problema sozinho, mas, a ajuda de cada um é de grande importância. Parabéns!

Anônimo disse...

Fiz a visita e amei...vc é fera hein??? Muito massa, amei o que vc escreveu sobre amanhã... lua...
sem falar que achei demais sobre ser baiano!!!!
ah, aquela foto da lua ...sem comentários...

Bjsssssssssssss - Danda

Zé Brocoió disse...

Valeu Mário, parabéns pelo Blog.

amaralina disse...

OLÁ...
CARAMBA..ADOREI O SEU TEXTO.
PARABÉNS POR FORMAR UM BLOG COM INFORMATIVOS DE TAMANHA IMPORTÂNCIA.
Q DEUS TE MANTENHA ASSIM, CHEIO DE GARRA, INTELIGENTE, COM VONTADE DE AJUDAR POR MEIO DE INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS.
XERÃO LINDO...]BJOS.

Marcelo disse...

Visitei seu blog!

Fidel, filho de BGG disse...

Joga o artigo no diário, pra ver se tiram do armário o mata-mosquito e o olho fique entre a televisão e a água no chão daqui.

Abraço!

Ioshiko disse...

Para ajudar no combate à dengue,plantem citronela(a essência de citronela-cymbopogom nardus, mata larvas e pupas em 3 horas, 1 colher (sopa) para 1 litro de água,( peço que façam a experiência!),manjericão,tagetes patula,usem seus derivados(desinfetantes,essências,óleos,velas,sabonetes),deixem viver as criaturinhas,os muitos predadores do aedes:aranhas mosquiteiras,lagartixas de parede,libélulas,pássaros insetívoros,peixes guppy nos reservatórios de água,sapos,além de telar caixas dágua,eliminar possíveis criadouros, usem bacillus thuringiensis,armadilhas Adultrap prende a mosquita adulta(serão 450 ovos que deixam de criar!).Não usem veneno químico, o aedes já adquiriu resistência, mas, mata seus predadores, e assim a dengue prolifera livremente.Basta analisar:onde mais se investiu com inseticidas(Pan 2007) é onde mais aumentou casos de dengue. Os predadores são consumidores vorazes do aedes, tanto na água como em terra, muito mais eficientes que qualquer medida artificial. Pesquisem para comprovar! Perfume também espanta o mosquito.Passem nas partes descobertas. Colocar uma caneca de plástico com ½ de água e 2 gotas de essência de citronela, deixe perto da cama.O cheiro permanece até o dia seguinte e o mosquito não se aproxima.
"O uso sem critério do fumacê causa impactos ao meio ambiente, provocando mortes de insetos polinizadores, tais como, abelhas, vespas e borboletas, além dos predadores naturais que exercem a função de controladores das populações de vetores", afirmou.